O colapso dos 30 anos.

Significado de colapso no dicionário Michaelis:

co.lap.so

sm (lat collapsu) 1 Med Diminuição súbita da atividade nervosa e cerebral e demais funções que dependem do sistema nervoso; prostração súbita. 2 Diminuição da eficiência e tamanho de qualquer coisa; estacionamento. 3 Desmoronamento, ruína, desintegração. C. cardíaco: a) cessação repentina e fatal da ação do coração; b) estado clínico que resulta da incapacidade do miocárdio dos ventrículos de manter um fluxo adequado de sangue a todos os tecidos do corpo. C. cardíaco congestivo: diminuição prolongada da capacidade do coração de manter um fluxo adequado de sangue aos tecidos ou de expelir o sangue venoso que a ele retorna.

 

Significado de colapso no dicionário informal:

Falência, esgotamento. O fato de ruir, de vir abaixo. Diminuição repentina de uma função vital.

 

Escolher a palavra COLAPSO foi espontâneo, fui dormir e acordei pensando, “Preciso escrever um texto novo, chamado O colapso dos 30”. Fui buscar o significado da palavra e me deparei nestas explicações que estão ali em cima. Vou me basear em um dos significados para escrever, o número dois, “Diminuição da eficiência e tamanho de qualquer coisa; estacionamento”.

 

Se você ainda não tem 30 ou não está perto dele, pare de ler e volte a ler quando tiver idade para entender, rsrs. Mentira. Leia tudo, você pode estar em colapso e não sabe.

 

Li vários textos antes de começar a escrever e o que mais me chamou atenção foi um escrito por Ivan Martins, onde ele vê a crise dos 30 como: “A data que marca simbolicamente o fim da juventude e o começo irrevogável da idade adulta. Há grandes decisões a serem tomadas.”

 

Exato!?

 

Ano passado minha esposa e eu estávamos com 29, a nossa crise começou por volta de fevereiro, onde decidimos que precisávamos fazer alguma coisa com nossa vida profissional, não aguentávamos mais trabalhar, trabalhar e trabalhar sem ter resultados em nossa carreira e sem ver a cor do dinheiro. Nossa eficiência estava estacionada, nosso cérebro pedindo arrego e nossa liberdade em jogo. Nossa juventude tinha chegado ao fim, estávamos casadas, quase falidas e com 4 filhos para sustentar.

 

Tenho pouquíssimas lembranças da minha infância e adolescência, quando digo pouquíssimas é porque são poucas mesmo, eu lembro mais da minha infância/adolescência por fatos que as pessoas me contam do que por fatos que eu lembro por mim mesma. Mas o que isso tem haver com o texto? Quase tudo, pois o que mais lembro é que eu queria ser dona do meu próprio negócio.

 

Estar a beira dos 30 e não ter realizado QUASE nenhum dos meus sonhos estava me deixando tensa, na época não estava pensando assim, mas hoje analisando e repassando os fatos, vejo que era um sufocamento invisível que acabou sendo externalizado a força. Cheguei aos 29 sem ter uma casa própria, sem ter uma empresa, sem ter dinheiro sobrando, com um salário de m*#%¨@ e metade dos meus sonhos engavetados, mas como diz minha mãe, não se pode ter tudo nessa vida, rsrs.

 

Voltando ao nosso impasse, o que fazer para mudar nossa situação, era uma pergunta diária. Aquilo estava nos consumindo, não sabíamos o que fazer e com sorte, tivemos a ajuda dos nossos chefes, fomos demitidas. Com isso criamos nossa própria empresa e hoje as crises são outras, rsrs. Gosto de contar minha própria experiência em meus textos, pois eu sei que estas são reais e podem acontecer com qualquer pessoa, não são exemplos que vi em alguma revista de negócios e tem uma característica de missão impossível.

 

No texto de Ivan Martins ele também cita que a crise dos 30 pode acabar com casamentos, carreiras e empregos. Em experiência própria e traduzindo esse texto para o universo lésbico dramático, se eu e minha esposa não estivéssemos alinhadas e dispostas a ter nossa crise juntas, creio que hoje não estaríamos juntas. O universo se alinhou ao nosso favor, sempre penso nisso, pois nos faltou coragem inicial de dizer adeus aos nossos empregos e começar uma vida nova. Mas garanto que de nada adiantaria o universo estar a nosso favor se nós não estivéssemos ao nosso favor.

 

Ter um colapso, diminuir a eficiência, esgotar-se, ou estacionar é uma questão individual e intransferível. Ter 30 anos e não ter conquistado TUDO pode causar pânico, pode causar um sofrimento sem explicação, mas não é o fim. Reerguer e superar são os verbos que descrevo a crise dos 30, pois nada é mais gratificante do que reerguer-se e superar seus medos e angústias.

 

Mas vou contar um segredo, eu já tive outras crises em outras idades, tive crise quando saí da faculdade e voltei a morar com meus pais, crise quando beijei a primeira mulher, crise quando terminei com a primeira namorada, mas a primeira crise que tive foi quando eu fiz 15 anos. Minha mãe fez uma festa, a única coisa que eu escolhi foi qual seria o prato principal, o resto, foi ela quem fez e imaginou. Por mim eu teria pego esse dinheiro e teria ido para qualquer lugar do mundo, do país, do estado. Mas eu estava ali, parada, de vestido azul com bordados tirando fotos para ter uma recordação desagradável. Como saí dessa crise? Só saí quando coloquei na cabeça que não podia deixar as pessoas decidirem por mim coisas que fariam parte da minha história de vida, foi com 15 anos que comecei a escrever histórias homoafetivas e foi com 15 anos que decidi que seria médica. Mantive essa decisão até descobrir a biologia e me apaixonar por literatura e entrar na crise do que fazer da vida, qual faculdade escolher ou qual profissão seguir.

 

Ter crise aos 30, 15 ou 50 anos faz parte do seu crescimento espiritual e emocional, sem as crises e sem os colapsos o que seria de você? O que seria das suas decisões se não existissem as dúvidas, os desaforos ou o medo?

 

Minha esposa fez biologia, fez mestrado e quando estava no fim do mestrado descobriu que não era aquilo que ela queria da vida, largou tudo e começou de novo e hoje está no fim da segunda faculdade.

 

Crise, todo mundo tem, nem sempre é aos 30, mas as dúvidas sempre surgem, as inquietações e as decepções, basta arregaçar as mangas e batalhar pelas mudanças necessárias. Hoje você pode tomar uma ótima decisão, mas daqui anos, você vai se questionar se essa decisão ainda é válida e outra crise será instaurada. C’est la Vie!

 

Alice

 

 

 
 
 
*Não se esqueça de se cadastrar para sempre receber as novidades do blog e receber de primeira mão os lançamentos dos meus livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.